Abrir menu superior
Sobre o IUCN/SSC Tapir Specialist Group

Sobre o IUCN/SSC Tapir Specialist Group

Luccas Longo (6)

Sobre o IUCN/SSC Tapir Specialist Group

www.tapirs.org

 

O Grupo de Especialistas em Antas é uma organização científica fundada em 1980 como um dos 120 Grupos Especialistas da Comissão de Sobrevivência de Espécies (SSC – Species Survival Commission) da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN – International Union for Conservation of Nature).  Patrícia Medici vem desempenhando o papel de Presidente do grupo desde 2000.  A meta principal do Grupo é contribuir para a conservação da biodiversidade do planeta através do estímulo, desenvolvimento e execução de programas práticos para estudar, recuperar e manejar as quatro espécies de anta e seus habitat remanescentes nas Américas do Sul e Central, e Sudeste da Ásia.

 

O Grupo busca atingir esta meta através da implementação das seguintes estratégias:

a.)    Revisão constante e monitoramento do status de conservação das quatro espécies de anta e promoção de suas demandas por conservação;

b.)   Promoção e suporte para pesquisa e distribuição de materiais;

c.)    Promoção da implementação de programas de conservação e manejo pelas organizações e governos apropriados; e

d.)   Estabelecimento de parcerias fortes e efetivas entre profissionais e organizações atuando na pesquisa e conservação de espécies de anta, estimulando comunicação e cooperação.

 

Atualmente, o Grupo conta com 150 membros provindos de 27 países ao redor do mundo (Alemanha, Argentina, Australia, Belize, Bolívia, Brasil, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Dinamarca, Equador, Estados Unidos, França, Guatemala, Guiana Francesa, Holanda, Honduras, Indonésia, Malásia, México, Miamar, Panamá, Paraguai, Peru, Reino Unido, Tailândia e Venezuela).  Todos estão direta ou indiretamente envolvidos com a conservação de uma ou mais espécies de anta, tanto em vida-livre quanto em cativeiro, em suas respectivas regiões.

 

O Grupo de Especialistas em Antas tem comitês e forças tarefa trabalhando temas específicos relacionados à conservação das quatro espécies de anta no mundo dentre eles: Comitê de Veterinários, Comitê de Genética, Comitê de Zoológicos e Manejo de Antas em Cativeiro, Comitê de Planejamento de Ações Conservacionistas, Comitê de Re-Introdução e Translocação, Comitê de Educação, Comitê de Marketing, Comitê de Captação de Recursos Financeiros e Comitê de Lista Vermelha entre outros. O Grupo se reúne a cada três anos durante o Simpósio Internacional de Antas.  O próximo simpósio, nossa sexta conferência, será realizado em Campo Grande, MS, Brasil, em Novembro de 2014!

 

O Grupo de Especialistas em Antas conta com o suporte institucional das seguintes organizações:

  • Grupo Conselheiro de Manejo de Antas em Cativeiro (Tapir TAG – Tapir Taxon Advisory Group) da Associação Americana de Zoológicos e Aquários (AZA)
  • Grupo Conselheiro de Manejo de Antas em Cativeiro (Tapir TAG) da Associação Européia de Zoológicos e Aquários (EAZA)
  • Zôo de Houston, EUA
  • Zôo de Copenhagen, Dinamarca

Para COLORIR - Luccas Longo Brasil (4)

 

ANTA DA MONTANHA: Na América do Sul, nos páramos andinos na Colômbia, Equador e Perú. Listada pelo Livro Vermelho da IUCN como AMEAÇADA DE EXTINÇÃO.

 

ANTA BRASILEIRA: Na América do Sul, em diversos ecossistemas e habitats, sobretudo florestas, na Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Paraguai, Peru, Suriname e Venezuela. Listada pelo Livro Vermelho da IUCN como VULNERÁVEL À EXTINÇÃO.

 

ANTA CENTRO-AMERICANA: Na América Central (Belize, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Nicarágua e Panamá), América do Sul (norte da Colômbia) e América do Norte (sul do México). Listada pelo Livro Vermelho da IUCN como AMEAÇADA DE EXTINÇÃO.

 

ANTA ASIÁTICA: No Sudeste Asiático, em florestas tropicais na Indonésia (Sumatra), Malásia peninsular, Miamar e Tailândia. Listada pelo Livro Vermelho da IUCN como AMEAÇADA DE EXTINÇÃO.

 

As maiores AMEAÇAS à sobrevivência das quatro espécies de anta na natureza são destruição e fragmentação de seus habitats naturais, caça indiscriminada (carne para consumo, pele para confecção de laços, partes para usos medicinais e de crendices populares), atropelamentos em rodovias, doenças infecciosas, fogo, intoxicação por produtos químicos entre outras.  Para maiores informações sobre o estado de conservação das quatro espécies de anta no mundo, por favor, visite o site da Lista Vermelha da IUCN www.iucnredlist.org e a página do Grupo de Especialistas em Antas (www.tapirs.org).

 

Administrador Blog SZB
Escrito por Administrador Blog SZB